Arquitetura Egípcia: Uma mistura de beleza e mistério

Você já conhece a Arquitetura egípcia? Considerado o estilo mais rico em história e trazendo referências que são utilizadas até hoje como inspiração para muitos arquitetos e designers no ramo da construção e decoração. Veja agora como surgiu e quais as características que fizeram deste estilo um dos mais consagrados ao longo da história mundial.

Arquitetura egípcia: Uma mistura de beleza e mistério

Uma das civilizações que mais marcaram a história foi o Egito, além disso, deixaram grandes inspirações em todas as áreas. Nas construções, a arquitetura egípcia é uma das maiores influências de técnicas e modelos de decoração usados desde aquele período até os dias de hoje.

O ar de mistério das estruturas do antigo Egito e o belo das construções vem passando por milhares de anos. Mas ainda nos dias atuais se vê a mesma beleza e autenticidade dos projetos de antigamente. Neste artigo vamos falar mais sobre isso e desvendar como se iniciou, as características e os materiais mais usados nessa arquitetura, os estilos de construções e projetos mais feitos e muitas outras coisas, para você entender melhor sobre esse estilo arquitetônico.

Arquitetura egípcia: História

Antes da arquitetura egípcia surgir, a arte egípcia já era utilizada, foi nela que a arquitetura teve seus primeiros traços do estilo egípcio. Pode-se dizer que, a arte egípcia é a manifestação de todas as representações artísticas feitas naquele período. Ela não se resume somente em decorações de arte. Mas alcança todo tipo de exibição artística, como esculturas, pinturas, objetos e a própria arquitetura.

Muitas das vezes era inspirada em temas religiosos, pois os artistas daquela época representavam através arte a vida dos faraós, eles faziam as pinturas no interior das pirâmides. Os próprios faraós quando morressem iriam ser colocados nos mesmos lugares em que tivessem pinturas representando os mesmos.

As artes tinham um padrão, no qual o autor não tinha autonomia para expressar seus sentimentos, emoções, criatividade e opiniões. Cada personagem desenhado tinha um tamanho, quanto maior seu tamanho, maior era sua posição dentro da sociedade, tanto que os Faraós eram sempre os maiores. As pinturas eram bidimensionais, o tronco era pintado ou desenhado de frente, enquanto a cabeça e os pés de lado. Além disso, as cores eram relacionadas a fatos, opiniões e coisas do tipo. Temos exemplos: o preto significava morte ou noite, o amarelo a eternidade, o azul o céu e o rio Nilo e assim por diante.

Antes de falarmos da história da Arquitetura egípcia, precisamos lembrar que ela foi um dos estilos mais importantes da história, junto com a civilização egípcia e todo o seu legado deixado para o mundo. Concentrando-se no período de ápice da arquitetura egípcia, que durou de 4000 a.C. até 30 a.C. Nesse momento relevante que se foi desenvolvendo as principais características de arquitetura utilizada para se construir suas casas, templos e pirâmides.

Nessa época ela se tornou uma das civilizações mais influentes ao longo da história, onde se desenvolveu as características mais marcantes de estruturas, usadas pelos egípcios em diversas construções e grandes monumentos arquitetônicos.

Tendo seu início marcado pela relação com a religião, houve uma grande construção de esculturas para idolatrar os deuses em qual seu povo acreditava, mas as construções mortuárias que marcaram toda uma civilização e seu estilo de arquitetura, fazendo com que fosse conhecida por suas construções que eram feitas com o intuito de durar para sempre.

Eles acreditavam na imortalidade da alma e que se o corpo fosse profanado, ela poderia sofrer eternamente, por isso eles faziam a mumificação, o objetivo de guardar as múmias é protegê-las pela eternidade.

Mas esse estilo de arquitetura tornou-se mais influente quando os imperadores introduziram que as construções daquela região seguissem um padrão, ocorreu quando houve uma junção territorial, os habitantes que moravam na região a cerca do rio Nilo foram unidos e tornaram-se um único império, foi então que teve grande relevância, 3200 anos antes de Cristo.

Em 3200 a.C., um único império foi formado, unindo toda a população que habitava em torno do rio Nilo, depois disso foi feito um padrão de edificação que deveria ser construído em toda a região, fazendo com que a arquitetura egípcia ganhasse força e notoriedade.

Segundo historiadores, a primeira pirâmide do Egito, localizada em Sacara, foi construída para ser a tumba de Djoser, o fundador da III Dinastia, o arquiteto responsável foi Imotepe, considerado o primeiro arquiteto do mundo. Este que foi o início da tradição de se construir grandes tumbas para se guardar as múmias de grandes faraós, funcionários do estado e membros da nobreza.

Arquitetura egípcia: Características

A arquitetura egípcia, mesmo tendo início a muitos anos atrás, ainda se mantém até os dias de hoje. Quando nos referimos a ela, não estamos falando das obras antigas, como as pirâmides e outras edificações que foram construídas no Antigo Egito, mas sim de obras arquitetônicas que estão em vários lugares no mundo, principalmente na Ásia e na África, que mantêm as regras da arquitetura egípcia antiga, ou apenas continuam utilizando alguns traços.

Isso ocorre por meio da junção dos estilos e padrões que eram utilizados na época e dos traços e regras que são utilizados na arquitetura moderna de forma geral. Essas características tem bases que são bem recorrentes em exemplos da arquitetura egípcia.

Além do uso de grandes pedras utilizadas nas construções, a arquitetura egípcia possui outras características que funcionam como princípios a serem seguidos como:

Durabilidade

As construções deviam ser duradouras, isto porque segundo a tradição, depois da morte a alma se desprende do corpo para que haja a passagem para o outro mundo, este processo poderia durar anos, para preservar os corpos das pessoas mortas, as construções mortuárias deveriam durar para sempre, tanto para guardar os corpos enquanto faziam a passagem e para os vivos se lembrarem e admirar quem foi aquela pessoa que está dentro da construção.

Rigidez

Linha de produção rígida sem espaço para criatividade ou inovação, tem sempre como objetivo seguir um determinado tipo de padrão.

Solidez

A monumentalidade presente em grandes superfícies é uma das principais particularidades, que pode ser observada nas pirâmides, pois são construções enormes e complexas, sempre com muitas linhas sólidas.

Impessoalidade

Os projetos arquitetônicos na antiguidade egípcia tinham como aspecto a impessoalidade, pois não era permitido o autor expressar seus sentimentos e modo de ver o mundo. O propósito da arquitetura não era ser uma exibição cultural individual, mas contentar as ordens e cumprir as vontades dos faraós.

Hieraticamente

A arquitetura egípcia era totalmente hierática, utilizavam a religião como base de tudo, por isso havia uma grande quantidade de regras que deviam ser seguidas  e que atravessaram mais de 30 séculos, um dos fatores que influenciou nesta grande inspiração na religião pertencente a civilização foi o isolamento geográfico da região.

Grandes superfícies

A primeira coisa que pensamos quando vemos uma pirâmide é como isso é grande, esta é uma das principais características de uma obra de arquitetura egípcia, o monumento deve pertencer a uma grande superfície, e suas construções são totalmente complexas e simétricas.

Arquitetura egípcia: Materiais utilizados

Por se tratar de áreas totalmente isoladas e sem a possibilidade de plantação de árvores, as madeiras eram totalmente escassas, o que fazia com pedras de barro, calcário, granito, arenito e tijolos de barro fossem utilizados nas construções. O material mais utilizado na construção das grandes pirâmides foram as pedras enormes de calcário branco de Tura, utilizando a técnica de maxiformato, uma técnica que ficou de herança e é utilizada atualmente na concepção de lastras.

Arquitetura egípcia: Tipos

Com a maiorias de suas construções feitas para serem utilizadas como túmulos para os cidadãos da elites, a arquitetura egípcia possui tipos de edificação, que são:

Hipogeus

Túmulos subterrâneos, feitos a partir da escavação de rochas, próximos a rios e montanhas, os hipogeus possuíam diversos pontos de acesso, um deles era o templo religioso, utilizado para realização de oferendas aos mortos. As múmias estavam localizadas no subterrâneo, membros da nobreza também podiam ser enterrados em túmulos hipogeu.

Esfinges

Representando a força tem o corpo de leão e representando a sabedoria tem cabeça humana, as esfinges são as esculturas egípcias mais populares. Elas eram colocadas nas entradas dos templos com o intuito de afastar os maus espíritos.

Mastabas

As mastabas são túmulos de forma retangular, feitos geralmente de pedras, pois a madeira era escassa. Por conta disso, os materiais mais utilizados eram tijolos, pedras de barro, calcário, arenito e granito. Eram escavadas câmaras funerárias abaixo da base das edificações para que fossem colocadas as múmias.

Esse tipo de construção precederam as famosas pirâmides, inicialmente servindo para abrigar os corpos dos faraós, mas depois passaram a servir apenas para enterrar as múmias de outros membros da nobreza.

Pirâmides

Sendo considerada o cartão postal do Egito até hoje, as pirâmides foram construídas com o objetivo de abrigar múmias da nobreza, como faraós ou outros com títulos maiores. Sendo feita de forma totalmente escalonada com degraus ou lisas, as pirâmides é a maior representante da arquitetura egípcia.

O revestimento das pirâmides também era feito com pedras de grandes proporções, como o calcário branco de Tura, que era trabalhado em vários formatos, de forma similar ao que é feito hoje com as lastras.

Pintura Egípcia

Os artistas eram contratados pelos faraós para desenharem e pintarem nas paredes das pirâmides, que viriam a ser os seus túmulos. Essas pinturas detalhavam a vida deles, de modo que essa arte registra parte da história do Egito.

Nessa sociedade, a arte era produzida de forma padronizada e não dava espaço para a criatividade. Assim, foi realizada uma arte anônima, pois o importante era a perfeita realização das técnicas executadas e não o estilo dos artistas.

Características da Pintura Egípcia

Existiam muitas normas a serem seguidas na pintura e no baixo-relevo produzidos no Antigo Egito:

ARQUITETURA EGÍPCIA PINTURA

Frontalidade

É a principal característica na pintura egípcia, pois determinava que o tronco das pessoas deveria ser representado de frente, enquanto a cabeça, pernas e pés eram pintados de perfil. Os olhos também são relatados que eram de frente. Essa maneira de representação cria uma combinação visual lateral e frontal.

Cores e tintas

As tintas utilizadas nessas pinturas eram retiradas na natureza:

Preto (kem): associado à noite e à morte, a cor preta era obtida do carvão de madeira ou de pirolusite (óxido de manganésio do deserto do Sinai).

Branco (hedj): extraído do cal ou gesso, o branco simbolizava a pureza e a verdade.

Azul (khesebedj): extraído do carbonato de cobre, o azul estava associado ao rio Nilo e ao céu.

Amarelo (ketj): estava associado à eternidade e era extraído do óxido de ferro hidratado (limonite).

Vermelho (decher): representava a energia, o poder e a sexualidade e era encontrado em substâncias ocres.

Verde (uadj): simboliza a regeneração e a vida e era obtido da malaquite do Sinai.

Arquitetura egípcia: Contemporânea

Você deve estar se perguntando, mas como é a arquitetura no Egito nos dias de hoje? Com a globalização e chegada de novas civilizações vindas de diversos países, resultou na arquitetura egípcia contemporânea, uma união de diversos estilos unindo o moderno com o antigo. A maioria das construções ainda são feitas de tijolos, pedras e outros materiais brutos, com o objetivo de resistir a tempestades de areia e outras ocasiões que ocorrem no deserto.

Ainda há uma grande distância da população mais rica da mais pobre, cidadãos mais afortunados, costumam morar em grandes palacetes ou construções que lembram as antigas edificações do Egito, mas tudo com bastante tecnologia para tornar o espaço ainda mais moderno e confortável

Exemplares famosos da arquitetura dos egípcios

Necrópole de Gizé

A Necrópole de Gizé é um sítio arqueológico onde ficam os mais conhecidos exemplares da arquitetura do Antigo Egito. As famosas pirâmides de Quéops, de Quéfren e de Miquerinos estão localizadas ali, onde fazem parte do complexo a esfinge e a tumba da Rainha Quentecaus I.

Bibliotheca Alexandrina

Construída em 2002, a Bibliotheca Alexandrina é um exemplo da arquitetura egípcia contemporânea. O prédio abriga museus, auditórios, laboratórios e um planetário. O design moderno é internacionalmente reconhecido e considerado por muitos críticos como um dos mais bem trabalhados na cidade de Alexandria.

Mastaba de Seberquerés

Esse monumento é o túmulo do rei Seberquerés, o último líder da IV dinastia. A mastaba está localizada ao sul de Sacará e é feita com pedras e tijolos. Por fazer parte da história da humanidade, o local costuma atrair milhares de turistas, que ficam encantados com a forma como os egípcios conduziam a arquitetura.

A aplicação da arquitetura egípcia em projetos contemporâneos

Pode ser vista, principalmente, na decoração e no design de interiores:

O uso do preto e do dourado, que denotam o luxo que as antigas edificações tinham, podem facilmente ser trazidos para os ambientes.

Tapetes, castiçais e quadros com arte egípcia, entre outros itens, também podem ser utilizados pelos designers de ambientes que desejarem trabalhar essa cultura em seus projetos.

Conhecer a arquitetura egípcia traz inspirações e é algo de muita relevância. Todo arquiteto ou de outro ramo da arquitetura fica encantado quando se aprofunda nesse tema.

Perguntas frequentes

Qual a importância da arquitetura egípcia?

A importância da arquitetura egípcia é que ela ligou a pintura com as esculturas e isso fez com que marcasse a cultura egípcia pela religião e supremacia política do faraó.

Qual o templo mais importante da arte egípcia?

O templo mais importante da arte egípcia foi o Grande Templo de Ramsés II, sendo considerado o maior empreendedor de todos os faraós. A obra do faraó possui mais de 20 metros de altura e está encravado em uma montanha de pedra.

Qual era a principal motivação da arte egípcia?

A principal motivação da arte egípcia era a religião e a política, tudo se tratava em retratar e admirar os maiores nomes do governo e da nobreza.

Qual é a importância do rio Nilo?

A importância do rio Nilo é de contribuir para irrigação agrícola, navegação e fonte de água para consumo humano.

Como era o teatro no Egito antigo?

O teatro no Egito antigo era feito com atores utilizando máscaras e fantasias, em suas apresentações eles cantavam e encenavam.

Como era a música egípcia?

A música egípcia era muito tocada durante rituais religiosos e funerários, já havia sido composto alguns hinos e cantos para promover a presença divina.

O que os egípcios acreditavam?

Os egípcios acreditavam na existência de vários deuses, ou seja eles eram politeístas, alguns de seus deuses eram animais e suas crenças os acompanhavam até depois da morte.