Etapas de uma obra são muitas e para que tudo saia como planejado, bem executado e com o resultado esperado, é preciso ter atenção à cada etapa.

Aqui você aprende dicas infalíveis sobre como planejar, sobre a equipe da obra, e todos os principais passos para garantir o sucesso da sua construção. Acompanhe!

Etapas de uma obra: planejamento eficiente

Etapas de uma obra planejamento

Etapas de uma obra: planejamento

Um planejamento de obra bem feito pode ajudar a evitar surpresas e problemas. Desde o tempo de execução da obra até o orçamento, o planejamento de uma obra exige muita atenção e conhecimento.

O profissional responsável pelo planejamento precisa entender a respeito das necessidades específicas da obra, das tecnologias necessárias na execução, das funções necessárias para determinar a equipe necessária para a obra, estimativa de mão de obra, de materiais e equipamentos que serão utilizados no decorrer da execução do serviço.

Planejamento da obra: como fazer

Para evitar perdas, desperdícios e atrasos, existem alguns pontos que não podem faltar em qualquer planejamento de obra, são eles:

1. Organização das atividades e serviços – Essa é a primeira fase. Aqui você precisa definir o método construtivo e todo o cronograma da obra. É a hora de definir e sequenciar as etapas e tarefas. É importante também, definir o dia que cada serviço deve ser executado e o tempo que cada um leva para ser finalizado.

2. Dependência entre serviços – Ao definir o dia de execução de cada atividade e o tempo que cada uma leva, é importante pensar na sequência delas. Para isso basta pensar quem vem antes de quem, é só analisar cada atividade e criar uma sequência.

Esta fase precisa ser definida junto da equipe de obra para terem uma estratégia bem definida sobre a lógica construtiva. Com isso, uma atividade só por ser iniciada quando sua predecessora for concluída.

Claro que, esse tipo de dependência tem um ponto negativo, pois caso alguma etapa falhe, há chances de que todo um setor de obra atrase.

Por isso é necessário ter conhecimento sobre metodologia da obra para conseguir organizar as atividades que estão interligadas, mas tentar evitar organizar atividades que tenham total dependência de outras.

3. Levantamento das quantidades – Com a etapa anterior concluída, é hora de fazer o levantamento da quantidade de cada serviço, ou seja, é a base para outros orçamentos como o de materiais, mão de obra e dimensionamento de equipes e equipamentos.

No caso de uma nova construção, este levantamento pode ser feito diretamente pelo projeto arquitetônico. É uma etapa que exige muita atenção e não deve ter erros.

4. Custos diretos – Esta parte serve para ter uma estimativa de custo de mão de obra, materiais, equipamentos, entre outros. Para calcular basta multiplicar as quantidades de serviço pelos seus custos unitários.

5. Cronograma físico – Este cronograma, composto pelo sequenciamento, baseado nas datas de início e fim de cada etapa. Nele deve ser definida a estimativa de tempo que cada atividade leva para ser finalizada.

É importante lembrar que imprevistos acontecem e em uma construção eles são quase inevitáveis. Um cronograma perfeito auxilia para que haja poucos problemas, mas não exclui eles. Por isso é sempre bom ter uma folga no cronograma já prevendo alguns atrasos.

6. Cronograma financeiro – Este cronograma é elaborado em função do cronograma físico e da disponibilidade financeira do cliente ou empresa. É importante sempre ter uma folga no orçamento, ou seja, nunca usar todo o valor disponível, pois podem haver imprevistos que encarecem a obra e com essa folga é possível resolvê-los sem estourar muito o orçamento.

O que é preciso para começar uma obra?

Etapas de uma obra

O que é preciso para começar uma obra?

Para iniciar uma obra 3 pontos precisam estar alinhados, são eles:

  1. Projeto;
  2. Planejamento de obra;
  3. Aprovação e legalização.

O primeiro passo é ter em mãos o projeto executivo, que por sua vez quase sempre é diferente do projeto que vai para aprovação na prefeitura.

O projeto que vai para o canteiro de obras normalmente é mais detalhado que o projeto de prefeitura, para que assim a execução saia da forma para a qual foi projetada.

O desenvolvimento de um croqui e um projeto de arquitetura pode levar um tempinho, são muitas etapas para elaborar um projeto de qualidade e podem incluir vários profissionais diferentes como arquiteto, engenheiro civil, engenheiro hidráulico, elétrico e vários outros.

O segundo passo é o planejamento da obra. Esta parte é desenvolvida pelo arquiteto ou engenheiro e é indispensável. O planejamento é extremamente importante para evitar problemas durante a execução e garantir um resultado satisfatório.

Com os dois primeiros passos concluídos, para que seja possível a construção do projeto, é necessário que ele passe pela prefeitura para aprovação. Pular essa parte não é aconselhável pois pode trazer muitos problemas, tanto durante, quanto depois execução da obra.

Uma obra em execução ou finalizada, que não foi autorizada, pode ser barrada. Existe ainda a chance de o dono ser multado e ter a obra demolida caso essa construção não esteja em conformidade com as normas vigentes no Brasil.

Cada cidade tem exigências específicas para a legalização de uma obra. Vale consultar como funciona na sua cidade para não haver erros.

Veja também:  Quais são os tipos de projetos de arquitetura que existem?

De qualquer forma, existem algumas documentações que não costumam mudar de lugar para lugar. Então os documentos básicos para a legalização de uma obra são:

  1. Matrícula do imóvel – Para isso o terreno em que vai construir deve estar regularizado;
  2. Alvará de construção emitido pela prefeitura – O projeto deve ser entregue na prefeitura já adaptado às regras de construção do município; A obra não pode ser iniciada enquanto não tiver o alvará em mãos;
  3. RRT (Registro de Responsabilidade Técnica) – O arquiteto ou o engenheiro, que são os profissionais habilitados a serem responsáveis técnicos, devem apresentar a RRT ou ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) a prefeitura, garantindo a responsabilidade do mesmo sobre a obra.

Equipe necessária para a obra

Etapas de uma obra equipe

Etapas de uma obra: equipe

Escolher profissionais de qualidade é essencial para garantir a qualidade do projeto final. Muitas vezes os profissionais são escolhidos por cobrarem o menor valor, ou até mesmo por afinidade, por ser conhecido de alguém. Nem sempre esses critérios são os melhores e podem trazer problemas futuros.

Uma obra, mesmo que de pequeno porte, exige uma equipe completa e que normalmente é formada por muitos profissionais de várias áreas.

Os profissionais encarregados de desenvolver, supervisionar e fiscalizar, que são os maiores encarregados, são o arquiteto, o engenheiro e o mestre de obras.

Fora esses profissionais, são necessários vários pedreiros, os ajudantes de pedreiro, profissionais como armador, pintor, eletricista, encanador e outros, dependendo das especificações do projeto.

Arquiteto

O arquiteto é quem inicia todo o desenvolvimento do projeto, ele define, junto com o cliente, como será o projeto. Além disso, é o arquiteto quem define como os trabalhos serão realizados na obra.

Por isso é muito importante escolher um arquiteto bem capacitado. Ele quem gerencia todas as etapas da obra, faz o acompanhamento para garantir a execução correta das etapas e auxilia os demais trabalhadores no que for necessário.

Um arquiteto bem organizado e atento aos detalhes faz muita diferença. O ideal é que esse profissional mantenha, em material, a organização de todas as etapas, dos materiais, dos acabamentos, a forma que tudo será executado e os prazos nos quais devem ser finalizadas as etapas.

Engenheiro

O engenheiro é quem coloca em prática o projeto do arquiteto. Ele, juntamente com o arquiteto, supervisiona e auxilia equipe, fornecendo todas as informações que a equipe precisa.

Os projetos complementares como hidráulico, elétrica, estrutural, e outros, podem ser feitos cada um por um engenheiro diferente, de acordo com a especialização de cada um. Desde o projeto arquitetônico aos projetos complementares é o profissional da engenharia quem realiza os cálculos.

O trabalho do engenheiro é indispensável para garantir a segurança durante e depois da obra. Ele também pode cuidar de todo o planejamento e execução de uma construção.

Mestre de obras

O mestre de obras é quem fiscaliza e supervisiona a obra. O arquiteto e o engenheiro são responsáveis pelo desenvolvimento e supervisão, porém, eles não ficam na obra todo o tempo, eles costumam fazer visitas à obra para garantir o bom andamento da mesma.

Para isso serve o mestre de obras. Ele está na construção desde seu início até sua conclusão. Um bom mestre de obras deve ter conhecimento em todas as etapas de uma construção, dos materiais, e da função de cada trabalhador da equipe.

Ele distribui as frentes de serviço aos encarregados, mantém a ordem do canteiro de obras e ajuda nos problemas que surgirem, até que chegue a equipe de arquitetura e/ou engenharia.

Etapas de uma obra: 15 passos de planejamento

As etapas e sequência de uma obra acabam seguindo uma linha bem semelhante quase sempre. Claro que cada obra tem suas particularidades e necessidades e aí entra a variação no planejamento.

A técnica construtiva também é fator que altera essa lista, mas no geral, esses são 15 passos INDISPENSÁVEIS no planejamento de obra:

1. Projeto arquitetônico

Projeto arquitetônico

O início de tudo. A partir do projeto arquitetônico que se desenvolve todas as outras etapas, atividades de projeto, planejamento, orçamento e construção.

Além de todo o desenvolvimento do projeto, definição de detalhes e organização do planejamento, o projeto ainda precisa passar por aprovação do órgão competente da cidade para que a obra possa ser iniciada.

Para o desenvolvimento do projeto de forma eficiente, o arquiteto precisa ter domínio dos programas de desenho, modelagem 3D e renderização existentes.

Os principais programas, mais usados para desenvolvimento de um projeto arquitetônico e de projetos complementares como elétrica, estrutural e hidráulica são:

AutoCad – O AutoCad te permite fazer tanto desenhos 2D quanto 3D. Comumente usados para desenhos técnicos, é possível fazer modelagem 3D e ainda facilita a comunicação entre profissionais trabalhando no mesmo projeto;

Veja também: AutoCAD: O que é, o que faz e para que serve?

Revit – O Revit faz parte de uma tecnologia que está em ascendência, o BIM (Building Information Modeling), em português Modelagem de Informações de Construção.

Este é um programa que teve suas funções desenvolvidas pensando nos profissionais de arquitetura. Nele também é possível compartilhar o acesso, assim qualquer colaborador pode entrar e editar o modelo;

Veja também: Revit: o que é, como usar o programa e principais vantagens

SketchUp – Este é um dos softwares CAD que possui versão gratuita. É uma excelente ferramenta de desenho e modelagem. No SketchUp é possível criar pequenas animações;

Veja também: SketchUp: o que é, como usar, dicas práticas e plugins

Veja também:  Como abrir um escritório de arquitetura

V-Ray – O V-Ray é um plugin, ou seja, ele é usado como uma extensão em programas de modelagem 3D como o SketchUp, 3DSMax e outros. Uma vez instalado ele possibilita a criação de imagens com acabamento foto-realístico. Em possibilidade de variações o V-Ray tem uma amplitude maior;

Veja também: V-Ray: o que é, o que faz e para que serve? [GUIA]

Lumion – Também é um programa para o desenvolvimento de imagens foto-realistas. Ele usa a tecnologia 3D em tempo real que favorece as visualizações imediatas e a criação de imagens em uma fração de segundos.

Sua biblioteca supercompleta e de alta qualidade possibilita que qualquer tarefa complexa e desafiadora seja facilmente gerenciada.

Veja também: Lumion 10: Tudo sobre essa Versão

2. Preparação para iniciar a obra: serviços preliminares

Etapas de uma obra

Com o projeto e o planejamento pronto, e com a aprovação da prefeitura, a obra pode ser iniciada. Para isso é preciso uma preparação que inclui a limpeza e o fechamento do terreno.

A partir daí é necessário fazer a organização do canteiro, barracão de obras, a adaptação do terreno (serviços de terraplanagem). O próximo passo é a montagem do gabarito e definição dos eixos de execução das fundações, paredes e divisórias.

3. Fundações da obra

Etapas de uma obra

Fonte: Pinterest

Existem vários tipos de fundação. Elas servem para sustentar a edificação. Para definir qual a fundação ideal para a sua obra, deve-se levar em consideração o tipo da edificação e do solo do terreno.

Cada fundação é executada de uma forma, algumas utilizam mais equipamento que outras, e por isso a fundação influencia também em toda a organização do canteiro.

É uma etapa muito importante e é essencial que seja bem executada para garantir o sucesso estrutural da edificação.

4. Estrutura ou Superestrutura da obra

Etapas de uma obra

Essas são as estruturas que ficam acima da terra, como pilares, lajes e vigas. Elas também possuem variações, tanto material quanto de execução.

As mais comuns são: concreto armado convencional ou protendido (sistema pilar-viga-laje), alvenaria estrutural (a própria alvenaria é a estrutura da edificação), estruturas metálicas (principalmente em galpões, indústrias).

5. Paredes da Obra

Etapas de uma obra

A forma como todas essas etapas de levantamento de estrutura e vedação vão funcionar, depende diretamente o sistema construtivo escolhido e dos materiais.

No caso das paredes, elas podem ser de alvenaria, de madeira, drywall, divisórias e muitos outros.

Depois de levantar todas as paredes, é a fase de vedação, chapisco, emboço ou reboco.

6. Telhados e Forros da obra

Etapas de uma obra

A construção de telhados é dividida em duas partes: A estrutura e a cobertura. A primeira é o engradamento, ou seja, a montagem da estrutura que sustentará a cobertura da casa, no caso, as telhas.

A telhas podem ser de cerâmica, concreto, metálicas, fibrocimento e vários outros modelos. O tipo de telha escolhida também influencia na inclinação do telhado.

7. Esquadrias

Etapas de uma obra

As esquadrias são as portas e janelas. Uma instalação bem feita é imprescindível para garantir o funcionamento das mesmas.

Uma esquadria mal instalada pode prejudicar a abertura das portas e janelas, além de, se mal vedadas, pode deixar vãos pelos quais podem passar poeira e água, de chuva por exemplo.

Estes elementos são grandes aliados da parte estética da edificação. É importante escolher portas e janelas que valorizem a arquitetura projetada. A harmonia visual valoriza a construção.

Existem esquadrias metálicas, de alumínio, madeira, pvc, vidro temperado, etc…

8. Instalações Hidro sanitárias

Etapas de obra

Fonte: Primeminer

As instalações hidro sanitárias devem ser feitas com bastante atenção para evitar vazamentos e outros problemas. O pvc é um dos materiais mais utilizados, mas existem muitos materiais para tubos e conexões pvc.

Elas são divididas em:

  • Instalação de água fria
  • Instalação de esgoto
  • Instalação de água quente
  • Instalação de água de reuso (se houver)

9.  Instalações elétricas

Etapas de obra

Fonte: Design em dia

Aqui é feita a passagem de fios e cabos, seguida da instalação de tomadas e interruptores. Toda a instalação é dividida em circuitos protegidos por disjuntor. Na parte de instalação elétrica, entram:

  • Tubulações;
  • Caixas;
  • Fios;
  • Tomadas / disjuntores.

10. Acabamentos e Revestimentos

Etapas de uma obra

Nesta parte já estamos perto da finalização da obra, porém, por ser uma parte de acabamentos, que exige muita atenção e tem muitos detalhes, ela acaba demorando um pouco mais.

Aqui são instalados pisos cerâmicos, porcelanatos, pisos laminados, granitos e azulejos. A escolha dos materiais dessa etapa, não são só importantes para a estética, mas influenciam na durabilidade e na qualidade dos acabamentos.

11. Vidros

Etapas de obra

A parte da instalação dos vidros é uma das etapas que exige mais atenção e cuidado. Para um resultado de qualidade os vidros devem ser bem instalados e vedados.

O processo começa desde o transporte que deve ser especializado, assim como a instalação para evitar danos aos vidros.

12. Pintura ou textura Interna e Externa

Etapas de uma obra

Cada tipo de parede pode ter uma diferente forma de aplicar estes acabamentos. Em paredes de alvenaria, as etapas são:

  • Preparar as paredes, pisos e tetos;
  • Aplicar selador;
  • Aplicar massa corrida;
  • Pintura com tinta acrílica em duas ou três demãos.

13. Louças e metais

Etapas de uma obra

Nesta etapa são instaladas as peças como cuba, lavatório, sanitários, box de banheiro, a marcenaria do banheiro, se existir e bancadas. Todos os outros acessórios como torneiras, cabide, saboneteira, acabamento para registro e outros devem ser instalados nessa fase também.

14. Áreas externas e Paisagismo

Etapas de uma obra

Nas áreas externas são feitas, se existentes, a instalação de Piscina, quadra, área para churrasqueira, grades, etc. Essa etapa é o acabamento externo da sua obra, ela que dará vida e beleza para o visual da sua construção.

Veja também:  Dicionário de arquitetura: 10 palavras estranhas que arquitetos usam!

Agora também é a hora de plantio de grama e cultivo do jardim. O paisagismo é essencial para valorizar a construção e integrar a natureza a seu projeto, trazendo leveza.

15. Limpeza final da obra

Etapas de uma obra

A limpeza é a última etapa da obra.  Ela leva um tempo e deve ser feita com cuidado, é importante olhar todos os detalhes. Deve ser recolhido todo o entulho e retirado do local, descartado de forma correta.

Nessa etapa também são ligadas todas as redes e testado se todas as instalações estão funcionando perfeitamente. Qualquer defeito deve ser identificado, corrigido e reparado antes da entrada das pessoas no local.

Principais erros nas etapas de uma obra

Seja uma nova construção ou uma reforma, obras são conhecidas por serem cheias de problema e causarem dor de cabeça para todos envolvidos nela.

Todas as etapas de uma obra são essenciais e interdependentes. Mesmo assim, alguns profissionais ainda escolhem ignorar algumas coisas, com a desculpa de economia, seja tempo ou dinheiro, ou apenas se perdem no processo, e isso pode trazer problemas de impacto significativo para a construção e para o andamento da obra.

Algumas coisas podem ser evitáveis, já outras estão fora do nosso controle e tudo o que podemos fazer é estar preparados para resolver o problema de forma eficiente. Por isso, preparamos uma lista com os principais erros que se pode cometer.

Segue 9 exemplos do que NÃO fazer ao desenvolver, planejar e executar uma obra:

  1. Ignorar o projeto, ou não fazer um;
  2. Fazer um planejamento falho;
  3. Não contratar profissionais qualificados;
  4. Não fazer orçamentos;
  5. Comprar materiais e equipamentos de baixa qualidade;
  6. Não seguir as normas recomendadas pelo fabricante dos materiais;
  7. Não montar uma boa equipe e ter falhas na comunicação interna;
  8. Não se atentar aos mínimos detalhes;
  9. Dispensar um diário de obras.

Cuidados necessários ao planejar as etapas de uma obra

O principal cuidado é não esquecer nenhuma etapa. Cada fase, da menor a maior, tem sua importância na estrutura de planejamento da obra. Os 9 pontos do tópico anterior são erros comumente cometidos, por isso é interessante acrescentá-los a sua lista com destaque para não repetir o mesmo erros.

Fora isso, alguns pontos que merecem atenção redobrada. Confira 5 Cuidados necessários ao planejar as etapas de uma obra:

  • Gerenciamento de fornecedores – Deve-se manter um fluxo de recursos o mais otimizado possível. Para evitar problemas nessa etapa deve haver: seleção criteriosa dos fornecedores, controle da entrega de materiais, estabelecimento de uma relação integrada entre o setor de compras da construtora e o de vendas da empresa fornecedora;
  • Controle dos materiais – O armazenamento incorreto e o controle de estoque dos insumos da construção se mal realizado, podem acarretar na utilização inadequada ou até mesmo a perda dos materiais;
  • Dimensionamento da mão de obra – É importante ter o número exato de trabalhadores, não a menos, nem a mais. Essa desorganização pode gerar desperdício de tempo e dinheiro;
  • Descumprimento do cronograma – A etapa de planejamento pode perder sua aplicabilidade se realizada de qualquer maneira. Um erro muito comum aqui é a definição de prazos inatingíveis.

Querer fazer uma obra rápido demais pode acabar fazendo com que ela demore mais ainda, pois com prazos muito apertados os processos podem ficar incompletos e acumular atrasos, além de trabalhos mal-acabados que podem acabar precisando serem refeitos;

  • Layout do canteiro – Esse projeto existe para que haja maior organização do espaço e para que tudo seja funcional e eficiente. É muito comum a ausência ou má execução do desenho do canteiro de obras. Projetar o layout do canteiro traz mais segurança para a obra, além de elevar a produtividade.

Conclusão

Imprevistos podem acontecer e o trabalho dos arquitetos e engenheiros é fazer com que esses imprevistos não gerem impactos grandes em relação ao orçamento, materiais, prazo, e mão de obra dos processos de construção.

Por isso, o ideal, é ter uma equipe responsável e capacitada em gestão de obra para que as decisões sejam tomadas de forma a minimizar os possíveis erros.

Além do preparo para resolver os problemas que podem surgir, toda a parte de desenvolvimento do projeto e etapas de uma da obra devem ser seguidas, sem pular nenhuma parte importante e feitas sempre com muita atenção aos detalhes.

E você, o que achou do artigo? Deixe seu comentário abaixo.